Novembro Negro

nov
(0) Comentários
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

Hoje encerramos o mês de novembro, mas não a luta antirracista. O SINASEFE-IFBA, em seus mais de 30 anos de atuação, sabe o seu  compromisso com o enfrentamento ao racismo estrutural brasileiro e o seu papel na promoção de debates qualificados.

A realização do Edital Novembro Negro é uma das nossas ferramentas de resistência, por meio de um espaço para o aprendizado e troca. Debate, música, dança, estudos científicos, artes visuais estão presentes na história da cultura afro e nos eventos que são realizados através do nosso edital. Pensando nisso, decidimos também fazer uma singela homenagem para algumas personalidades negras baianas:

Mãe Neuza de Xangô (@terreirocasabranca) é a nova ialorixá do Ilê Axé Iyá Nassô Oka, conhecido como Casa Branca do Engenho Velho da Federação.  A escolha ocorreu no ano passado, por meio do jogo de búzios do babalorixá do Pilão de Prata, Air José. Mãe Neuza foi iniciada no candomblé por Mãe Marieta de Oxum e hoje é a sétima ialorixá a comandar a Casa Branca, considerado o mais antigo terreiro de tradição ketu no Brasil e que faz parte do seleto grupo de dez templos reconhecidos como patrimônio brasileiro pelo Iphan.

Balbino Daniel de Paula (@ileaxeopoaganju) é babalorixá do Ilê Axé Opô Aganjú, localizado em Lauro de Freitas. Obaràyí, nome que recebeu de Xangô quando foi iniciado há 62 anos por Mãe Senhora, no Ilê Axé Opô Afonjá, é um dos sacerdotes mais importantes do culto aos orixás. Pertence também a uma família com uma profunda história ao culto dos Egunguns, na Ilha de Itaparica. Em sua trajetória como líder religioso teve o privilégio de ir à África inúmeras vezes, tendo ainda mais contato com a cultura iorubá.

Formiga (@oficial_formiga) é uma atleta que atuou por 28 anos como jogadora de futebol profissional. Foram sete participações em Olimpíadas e Copa do Mundo que deram à jogadora o posto de lenda do futebol feminino e da seleção brasileira. Ela ainda foi a única atleta, entre homens e mulheres, a participar de todas essas edições dos torneios e também a mais velha a marcar em um Mundial.

Ana Marcela (@anamarcela92) é uma atleta que foi eleita 6 vezes a melhor maratonista aquática do mundo. Em seu currículo tem: 33 medalhas de ouro, 16 de prata e 17 de bronze em campeonatos da Federação Internacional de Natação (Fina). Foi responsável pela primeira medalha de ouro da história da natação brasileira dos Jogos Pan-Americanos, em 2019, e também recebeu a medalha de ouro na Olimpíada de Tóquio, este ano.

 

 

Lazzo Matumbi (@lazzomatumbi) é um cantor e compositor com mais de 40 anos de carreira.  O artista é uma das vozes fundamentais na popularização do samba-reggae e do reggae na Bahia, além de trazer em suas obras uma história ligada à luta contra o racismo, a intolerância religiosa e pelo empoderamento negro. Em sua trajetória tem passagem pelo bloco afro Ilê Aiyê, integrou também a banda de Jimmy Cliff e teve suas canções gravadas por diversos artistas da música brasileira.

Josyara (@_josyara) é cantora, compositora e multi-instrumentista. A artista juazeirense, que se impõe com voz firme, violão percussivo e canções com novos olhares, tem dois álbuns lançados: Mansa Fúria (2018) e Estreite (2020), em parceria com o cantor e compositor Giovani Cidreira.

Negrizu (@negrizusantos) é um bailarino, pesquisador, coreógrafo e ator. O artista já trabalhou com o bloco afro Ilê Aiyê, Olodum, Gilberto Gil, Djavan, Clyde Morgan, Pierre Verger. Foi eternizado como “moço lindo do Badauê”, na música “Beleza Pura”, de Caetano Veloso.

Nara Couto (@nara_couto) é cantora e dançarina. A artista se destacou com o lançamento do seu primeiro EP, intitulado Contipurânia (2018), que traz canções do Olodum, Mateus Aleluia, Batatinha e Jarbas Bittencourt. Em suas experiências artísticas, também integrou a banda da cantora Daniela Mercury e a Orquestra Afrosinfônica, regida pelo maestro Ubiratan Marques.

 

Carla Akotirene (@carlaakotirene) é militante, assistente social, mestre e doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres, Gênero e Feminismo (PPGNEIM/UFBA), com trabalho reconhecido pelos livros “O que é Interseccionalidade?” e “Ó pa í, prezada”.

José Carlos Limeira foi um poeta, escritor e fundador do Grupo de Escritores Negros de Salvador. Entre os livros publicados estão: Zumbi… dos (1971), Lembranças (1972), Black intentions / Negras intenções (2003) e Encantadas (2015). Sua obra foi traduzida em vários idiomas, seus textos em prosa e poesia são objeto de teses e dissertações no Brasil e no exterior.

Notícias Relacionadas

FORTALEÇA A LUTA DA CATEGORIA

Filie-se e conheça as nossas vantagens