Banner-Boletim

Reportagem do Jornal Tribuna da Bahia Publicada por Albenísio Fonseca.

jul 04 2015
(0) Comentários

Greve de 80 dias dos professores do IFBA pode comprometer ano letivo

Dos 1.200 professores, cerca de mil aderiram ao movimento e dos 900 técnicos administrativos, 700 também estão paralisados.

Em greve há 80 dias, os 16, dos 19 campi do IFBA-Instituto Federal de Educação da Bahia estão com o ano letivo praticamente perdido e pode comprometer a vida escolar de 27 mil alunos.

Dos 1.200 professores, cerca de mil aderiram ao movimento e dos 900 técnicos administrativos, 700 também estão paralisados, inclusive os que atuam na Reitoria da instituição, conforme o coordenador geral do Sinasefe/Ba-Sindicato Nacional dos Servidores da Educação Básica, Profissional e Tecnológica, Georges Souto Rocha.

Afora a demanda salarial, que envolve a reivindicação de reajuste em 27,3% para 2016 e a rejeição à proposta do Ministério do Planejamento para todo o conjunto dos servidores federais, de 21,3%, a ser pago em quatro anos – a greve no IFBA tem como principais itens rejeições a medidas adotadas pelo reitor Renato Anunciação e apontadas como de “caráter autoritário”.

Segundo o coordenador do Sinasefe no estado, as cinco principais demandas do movimento são: contra a implantação do ponto eletrônico para docentes e técnicos administrativos; a imposição da jornada de trabalho para 40 horas semanais para os técnicos que, há anos, têm jornada definida em 30 horas; democratização do Colégio Dirigente, “cujas reuniões vêm sendo realizadas sem comunicação prévia da pauta e sem ata, portanto, sem transparência para a comunidade”; retorno do IntraIfba, “rede interna que permitia ampla discussão das demandas da instituição entre docentes, técnicos e estudantes”; implementação da Resolução 46, aprovada pelo Conselho Superior, após ampla discussão interna e que organiza dos docentes e que foi suspensa pela Reitoria.

De acordo com Georges, o reitor teria suspendido também as reuniões do Conselho Superior da Instituição e se nega a debater as questões internas da instituição.

Ele revelou terem solicitado ao reitor da UFBA-Universidade Federal da Bahia, João Carlos Salles, que atuasse como interlocutor junto ao reitor do IFBA que “não admite revogar suas resoluções e inclusive suspendeu a mesa de negociação já na terceira rodada”, enfatizou.

Momentos antes de embarcar para Brasília, onde participa da 132ª plenária nacional do Sinasefe, em Brasília, neste final de semana, o coordenador geral do sindicato na Bahia, adiantou que no encontro será discutida a adesão à greve nacional dos servidores federais programada para o próximo dia 13.

Na segunda e terça-feiras (dias 6 e 7) estão previstos, ainda, eventos como o Fórum das Entidades de Educação do Serviço Público e a Caravana da Educação, também na capital do país, em luta “por melhores condições de trabalho e qualidade no ensino”

Deixe seu comentário

FORTALEÇA A LUTA DA CATEGORIA

Filie-se e conheça as nossas vantagens